Leandro Tarrataca

Click here to edit subtitle

Reflexões

Mensagens e reflexões diárias sobre Fé, Família e os desafios da vida. 

view:  full / summary

Meu encontro com ela...

Posted on November 4, 2016 at 10:30 AM

Se minha memória não me trai, na primeira vez que tive qualquer contato com ela eu deveria ter uns seis anos de idade. Ela simplesmente veio sem aviso e, para ser sincero, ninguém desejava sua presença fria e indiferente. Digo isso pois me lembro que foi recebida com lágrimas e com dentes cerrados de desgosto por sua presença. Mas, ela? Nem se importou! Chegou e num abraço, golpe, soco... não sei... levou quem desejava levar. Assim, foi nosso primeiro encontro... nos encontramos muitas outras vezes ao longo dos anos.

 

Talvez você esteja pensando sobre quem estou falando, você sabe? Estou falando da morte! Mas, quando se encontra com Jesus a morte é reduzida a uma sombra sem substância, não mais nos assusta e nem nos leva ao desespero, pois quando olhamos para a cruz vazia e o túmulo vazio sabemos que podemos ter coragem hoje e esperança amanhã.

 

Unidos a Paulo podemos perguntar: Onde está ó morte o teu aguilhão? Onde está a tua vitória?

Desafio do Novo 5

Posted on January 18, 2016 at 6:00 AM

Nós vimos alguns princípios importantes em ordem de vencermos os desafios que estão diante de nós, estamos vendo princípios que nos ajudam diante do desafio do novo, seja ele qual for. O primeiro princípio tem a ver coma revelação, a revelação hoje é a Palavra de Deus. Você precisa se envolver com a Palavra de Deus a fim de que você possa ver a Deus, reconhecer a Deus, reconhecer que Deus está presente. O segundo princípio tem a ver com redirecionamento. Uma vez que você conhece a revelação de Deus, o que a Palavra de Deus tema dizer a respeito disso ou daquilo, de como você deve se portar ou o que você deve fazer, então você deve deixar que a Palavra de Deus redirecione a sua vida. E terceiro, nós precisamos ver a resposta de Deus às nossas objeções. Vimos que Moisés apresentou algumas. A primeira objeção de Moisés foi quem sou eu? E Deus disse: Moisés, a questão não é quem é você, a questão é quem sou eu. E Moisés, se entendesse que Deus estava com ele, isso poderia levá-lo a essa vida de vitória apesar de ter diante de si um desafio gigantesco: enfrentar o faraó, enfrentar a tirania dos poderosos. Nós vimos que Moisés nasceu dentro de um contexto profundamente tirânico quando os pequenos bebês dos israelitas eram mortos violentamente. Moisés sabia que teria um páreo duro à sua frente. Mas Deus estava prometendo que estaria com ele, então Deus responde que Ele era (Eu sou o que sou), Ele era, Ele é e sempre será. Ele se apresenta o Senhor, o Yaweh, o Todo Poderoso, aquele que auto-existe sem depender de qualquer outra pessoa. Deus, ao responder a essas objeções, está gerando no coração de Moisés, a força e coragem necessárias para ir adiante. Mas em Êxodo 4:1-9, encontramos o que poderíamos chamar de um ponto baixo na vida de Moisés. Embora eu consiga encontrar legitimidade nas perguntas anteriores, essa objeção de Moisés é a que mais me incomoda. Diz assim a Palavra de Deus: “1 Então respondeu Moisés, e disse: Mas eis que não me crerão, nem ouvirão a minha voz, porque dirão: O SENHOR não te apareceu. 2 E o SENHOR disse-lhe: Que é isso na tua mão? E ele disse: Uma vara. 3 E ele disse: Lança-a na terra. Ele a lançou na terra, e tornou-se em cobra; e Moisés fugia dela. 4 Então disse o SENHOR a Moisés: Estende a tua mão e pega-lhe pela cauda. E estendeu sua mão, e pegou-lhe pela cauda, e tornou-se em vara na sua mão; 5 Para que creiam que te apareceu o SENHOR Deus de seus pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. 6 E disse-lhe mais o SENHOR: Põe agora a tua mão no teu seio. E, tirando-a, eis que a sua mão estava leprosa, branca como a neve. 7 E disse: Torna a por a tua mão no teu seio. E tornou a colocar sua mão no seu seio; depois tirou-a do seu seio, e eis que se tornara como a sua carne. 8 E acontecerá que, se eles não te crerem, nem ouvirem a voz do primeiro sinal, crerão à voz do derradeiro sinal; 9 E se acontecer que ainda não creiam a estes dois sinais, nem ouvirem a tua voz, tomarás das águas do rio, e as derramarás na terra seca; e as águas, que tomarás do rio, tornar-se-ão em sangue sobre a terra seca.” Então note que Deus estava dizendo a Moisés que eles creriam porque Deus estava disposto a ir às últimas consequências para que eles cressem. De fato, no cap. 3 v. 18, Deus já havia dito a Moisés: “E ouvirão a tua voz; e irás, tu com os anciãos de Israel, ao rei do Egito, e dir-lhe-eis: O SENHOR Deus dos hebreus nos encontrou. Agora, pois, deixa-nos ir caminho de três dias para o deserto, para que sacrifiquemos ao SENHOR nosso Deus.” A parte ‘a’ do versículo diz: ‘E ouvirão a tua voz’. Mas Moisés está dizendo no cap 4 v. 1: “Mas eis que não me crerão, nem ouvirão a minha voz”. Aqui temos um caso clássico de descrença pública. Moisés está dizendo: O Senhor acabou de me dizer que eles crerão, mas eu quero dizer que eu não creio que eles crerão. E a situação fica exatamente assim, redundante. Você vem ouvindo essa mensagem sobre princípios que poderão determinar uma vida de vitória diante do desafio do novo. Deus estará com você. Apesar de ter lhe dito que não importa quem você é mas sim quem Deus é, você ainda esteja cheio de dúvidas, pensando, eu acho que as coisas não vão funcionar assim. Bem, no caso de Moisés, Deus apresentou dois sinais: deus transformou sua vara, seu cajado numa serpente e fez a sua mão se tornar leprosa. Esses dois sinais seriam como credenciais diante do povo. O que me chama a atenção aqui é que Deus usou coisas simples, a vara de Moisés e sua própria mão. Deus usa aquilo que temos, Deus usa coisas simples de nossas vidas. O que era uma vara? Nada. O que era a mão de Moisés? Nada. Mas nas mãos de Deus isso se transformou em um instrumento poderoso. A mão de Moisés havia sido a mão de um assassino, ele matara um homem com as próprias mãos. Mas o que Deus mostrou no segundo milagre é que Ele pode curar a nossa fraqueza. Deus pode curar a fraqueza de nossa carne e usar-nos para a Sua glória. Moisés talvez ao olhar para suas mãos se lembrasse da lepra do pecado. Deus fez com que a lepra se tornasse visível e curou a lepra diante dos olhos de Moisés. O Senhor é o que nos cura dos nossos erros, do nosso passado, das bobagens que cometemos, das palavras mal ditas que não deveríamos sequer ter mencionado. Deus é poderoso para transformar mãos frágeis como as nossas em instrumentos para a glória do Seu nome. Deus se refere aqui a um terceiro sinal. Deus diz a Moisés que se houvesse resistência, as águas seriam transformadas em sangue. E através destes sinais, eles creriam. O que Deus coloca adiante é que eles não deveriam apenas crer, eles deveriam se render a Ele. Porque adiante que os servos de faraó, os magos do Egito acabaram por imitar os sinais que Deus havia feito. O que precisamos não são de imitações baratas e descomprometidas, nós precisamos da poderosa mão de Deus em nossa favor. O mundo constantemente nos diz que poderemos obter sucesso se seguirmos o padrão que eles nos apresentam e algumas pessoas dizem ter alcançado sucesso na vida assim. Parece que há constantemente essa cópia barata. Eu cheguei a ler numa revista (vou omitir o nome da pessoa) um dos gurus da auto ajuda dizendo: se eu não mudar a sua vida, eu não me chamo fulano de tal. Eles estão dizendo exatamente o que Deus está nos dizendo e a verdade é que apenas Deus pode mudar as nossas vidas. Hoje, nos cursos de auto ajuda, eles colocam brasas para você caminhar por sobre elas e se sentir capaz de ir além, mas se você quer ir além, você precisa dAquele que permanece para sempre. Deus é Aquele que, de fato, pode nos fazer vencedores. Moisés, no cap. 4 vv. 10-17, apresenta a Deus um argumento interessante. Ele diz que não é qualificado, diz que não tem o talento necessário. “10 Então disse Moisés ao SENHOR: Ah, meu Senhor! eu não sou homem eloqüente, nem de ontem nem de anteontem, nem ainda desde que tens falado ao teu servo; porque sou pesado de boca e pesado de língua. 11 E disse-lhe o SENHOR: Quem fez a boca do homem? ou quem fez o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o SENHOR? 12 Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar. 13 Ele, porém, disse: Ah, meu Senhor! Envia pela mão daquele a quem tu hás de enviar” Êx 4:10-13 A última frase significa ‘envia qualquer outra pessoa’. Mas o Deus que é o grande Eu Sou, o Deus que está diante de um Moisés que diz apenas: Eu não sou nada. A razão disso acontecer é que Moisés olha para si mesmo, Moisés olha para as suas mãos, para a sua capacidade quando ele deveria olhar para Deus e Seu poder infinito. Moisés queria dizer a Deus que não tinha habilidade para falar, mas o Deus que fez a boca poderia usá-lo. Deus não precisa de uma oratória eloqüente, Ele precisa apenas de um vaso limpo, de uma vaso que tenha a coragem de se render à Sua mensagem. Moisés diz: Envia a qualquer um, menos a mim – é isso que ele clama no v. 13. Essa é uma atitude de descrença e atitude de descrença gera a ira. Mas Deus concedeu a ele um auxiliar, Arão. Deus sempre vai colocar ao nosso lado um Arão, alguém que possa nos dizer: vamos adiante, Deus irá nos usar. Você talvez esteja diante de tantas dúvidas porque está diante do desafio do novo. Talvez eu seja um Arão pra você hoje. Alguém que está ao seu lado para dizer: Vá em frente. Continue confiando em Deus. Porque no v. 14, aprendemos algo muito importante: “Então se acendeu a ira do SENHOR contra Moisés, e disse: Não é Arão, o levita, teu irmão? Eu sei que ele falará muito bem; e eis que ele também sai ao teu encontro; e, vendo-te, se alegrará em seu coração.” Deus sempre nos levará ao encontro do Seu propósito. Ele tem sempre alguém se movendo no sentido de fazer com que a Sua obra se cumpra. Ele levou dois irmãos ao encontro para que a obra dEle fosse levada a termo. Deus levará alguém ao seu encontro. Alguma ajuda lhe aparecerá ao caminho. Tenha certeza disso. Mesmo no meio da ira de Deus, Ele continua sendo gracioso. O sucesso e o sofrimento são vitais e são organicamente unidos. Se você está tendo sucesso sem sofrimento, é porque alguém sofreu no seu lugar e se você está sofrendo sem sucesso, pode ter certeza de que está sofrendo para que alguém venha a ter sucesso, talvez seus filhos, sua esposa, sua família. Mas não existe sucesso sem sofrimento. O que nos consola como cristãos é que a Bíblia nos chama de ‘mais que vencedores’, pessoas de sucesso. Por quê? Porque alguém sofreu em nosso lugar e Aquele que sofreu se chama Jesus Cristo.

Desafio do Novo 4

Posted on January 17, 2016 at 6:00 AM

Êxodo 3:13-15 13 Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? 14 E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. 15 E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração” Eu li sete contrastes entre o vencedor e o perdedor. O vencedor diz: Vamos descobrir O perdedor diz: Ninguém sabe Quando o vencedor comete um erro, ele diz: Eu estava errado. Quando o perdedor comete um erro, ele diz: Não foi minha culpa. Quando o vencedor passa por problemas, ele passa por problemas. O perdedor desvia deles. O vencedor assume compromissos. O perdedor apenas faz promessas. O vencedor diz: Eu sou bom, mas não tão bom quanto eu deveria ser. O perdedor diz: Eu sou mal, mas não tão mal como outras pessoas. O vencedor procura aprender sempre com aqueles que estão acima dele. O perdedor sempre tenta jogar para baixo aqueles que são superiores a ele. O vencedor diz: Deve haver um melhor caminho para se fazer isso. O perdedor diz: Sempre foi feito assim e é assim que eu vou fazer. Se você fizesse uma avaliação de si mesmo, onde você se encaixaria? Entre os vencedores ou entre os perdedores? Moisés é um vencedor porque ele faz as perguntas certas. Ele quer descobrir o caminho (Há um jeito de fazermos isso). A pergunta de Moisés quanto quem ele deveria dizer que o estava enviando, é uma pergunta crucial. Essa não era uma questão evasiva apenas, porque, para os judeus, a certeza de que o Senhor havia enviado Moisés, de que o Senhor lhe havia dado uma missão, era extremamente importante. Deus se revelou a Moisés como Yaweh, Eu sou o que sou ou, como podemos dizer, Eu era, Eu sou, Eu serei; o Eterno, como verte a tradução na linguagem de hoje. O Senhor Jesus Cristo foi também perguntado algumas vezes a respeito de quem Ele era e, curiosamente, especialmente no evangelho de João, encontramos pelo menos sete vezes onde Ele se apresenta como ‘Eu sou’. A primeira delas está em João 6:35: “E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede.” Ainda no evangelho de João, cap. 8 v. 12: “Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” João 10: 9 “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.” João 10:11 “Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas.” João 11:25 “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;” João 14:6 “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” João 15:1 “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.” Deus é o grande Eu Sou. Isso quer dizer que em Deus não há variação de mudança, que Deus é sempre o mesmo. Ele era, Ele é e Ele será. Jesus também é assim, Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Heb. 13:8). Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e o será para sempre. Se não há, portanto, nenhuma variação na pessoa de Deus, então os projetos dEle se cumprirão. Deus prometia a Moisés no AT que Ele cumpriria Sua promessa, que Ele tiraria o povo de sob o jugo do faraó. Moisés tinha que apenas confiar nisso, acreditar nisso mesmo que faraó se opusesse. As objeções que Moisés podia enfrentar poderiam ser as mais ferrenhas e Moisés estava consciente disso, essa era a razão por que ele fazia pergunta após pergunta. Lembre-se: Moisés foi salvo milagrosamente porque, por ocasião do seu nascimento, sua mãe o protegeu, colocou-o num cesto, lançou-o num rio e, por um milagre, por uma providência de Deus, Moisés não foi morto. Dizemos isso porque nos dias do nascimento de Moisés, a situação era terrível. Encontramos em Êxodo 1:7-14 “7 E os filhos de Israel frutificaram, aumentaram muito, e multiplicaram-se, e foram fortalecidos grandemente; de maneira que a terra se encheu deles. 8 E levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não conhecera a José; 9 O qual disse ao seu povo: Eis que o povo dos filhos de Israel é muito, e mais poderoso do que nós. 10 Eia, usemos de sabedoria para com eles, para que não se multipliquem, e aconteça que, vindo guerra, eles também se ajuntem com os nossos inimigos, e pelejem contra nós, e subam da terra. 11 E puseram sobre eles maiorais de tributos, para os afligirem com suas cargas. Porque edificaram a Faraó cidades-armazéns, Pitom e Ramessés. 12 Mas quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam, e tanto mais cresciam; de maneira que se enfadavam por causa dos filhos de Israel. 13 E os egípcios faziam servir os filhos de Israel com dureza; 14 Assim que lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo; com todo o seu serviço, em que os obrigavam com toda tirania” E chegamos, então, ao v.15 onde há um ápice da tirania dos egípcios: “15 E o rei do Egito falou às parteiras das hebréias (das quais o nome de uma era Sifrá, e o da outra Puá;), 16 E disse: Quando ajudardes a dar à luz às hebréias, e as virdes sobre os assentos, se for filho, matai-o; mas se for filha, então viva”. Moisés nasceu exatamente dentro desse contexto e só se salvou por causa dos cuidados da mãe, por causa da fidelidade das parteiras, e indiscutivelmente, por causa da providência de Deus. Moisés sabia que a objeção que ele viria a enfrentar com faraó não seria um passeio no parque. Mas Deus estava lhe garantindo que Seus planos não poderiam ser alterados, Ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre. No cap 1 de Êxodo, vemos que quanto mais os egípcios tentavam fazer com que o povo de Israel diminuísse a sua fecundidade, mais vigorosos eles se tornavam, mais se multiplicavam, mais se espalhavam. Por quê? Porque Deus havia feito uma promessa a Abraão, Deus havia feito uma promessa a Isaque e a Jacó e em Deus não há variação de mudança, Deus é consistente, Ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Não importa se os homens mudam as leis, se os homens se opõem aos projetos de Deus, se faraó se levanta ou se o inferno todo se levanta contra Deus. Deus continua sendo o Soberano sobre todas as coisas. E essa é a promessa que eu e você temos. Deus respondeu a Moisés dizendo: Eu sou o que sou, Eu sou o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó e você vai dizer aos filhos de Israel que o Senhor te enviou. Você talvez enfrente faraós, você talvez enfrente grandes problemas, talvez já esteja enfrentando ou talvez saiba que em poucos dias enfrentará. Talvez uma corte, um julgamento, não sei em que tipo de situação você está inserido, mas eu sei que, seja qual for a situação que você tenha a enfrentar, seja o que for que você tenha diante dos seus olhos, você precisa da mesma pessoa, você precisa do mesmo Deus diante dos novos desafios. Venha o que vier, aconteça o que acontecer, a única coisa que eu e você precisamos é da potente mão de Deus em nosso favor e é isso que Ele nos tem prometido. Portanto, mesmo diante das dificuldades, devemos responder como responde o vencedor. O vencedor diz: deve existir um outro caminho, deve existir um caminho melhor para se fazer isso. Enquanto o perdedor diz: as pessoas sempre fazem assim a tanto tempo... Existe um caminho melhor para você vencer as dificuldades que vem enfrentando. E o melhor caminho é o único caminho, é aquele que diz Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Agarre-se a Jesus hoje, confie nEle e vá adiante porque se o Todo Poderoso está conosco, não precisamos temer os homens.

Desafio do Novo3

Posted on January 16, 2016 at 6:00 AM

Eu vi uma definição diferente das habituais a respeito do que é sucesso. A definição diz o seguinte: Sucesso é a fidelidade diante da responsabilidade de um chamado. É a coragem mesmo quando o desastre surge. É a paciência mesmo quando as horas são longas. Como você definiria sucesso. Eu acredito que fidelidade está ligada diretamente à vida vitoriosa e à vida de sucesso. Quero convidar você a abrir em Êxodo cap 3, onde pinçaremos vários princípios que poderão nos nortear quando estamos diante do desafio do novo. Nesse texto vamos nos deparar com a comissão que Deus apresenta a Moisés e a resistência de Moisés, as objeções que Moisés apresenta diante do novo e a resposta que Deus lhe fornece. Êx 3: 7-12 7 E disse o SENHOR: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores. 8 Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu. 9 E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. 10 Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito. 11 Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel? 12 E disse: Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus neste monte.” Moisés não concordou com o plano de Deus imediatamente. Deus disse, Eu te enviarei mas ele não aceitou isso. Não era Moisés um fracassado, Moisés tinha uma família. Moisés não seria muito velho. Moisés talvez tivesse vários argumentos: Eu sou um fracasso, meu último ano não foi bem, meu último curso não foi bem, minhas notas não foram boas, meu estilo de vida não foi bom, agora já estou muito velho, eu tenho a minha família... Enfim, tantas e tantas objeções que Moisés podia apresentar a Deus diante do desafio do novo. E talvez todos esses argumentos passassem pela mente de Moisés... Mas podemos notar que, embora tantos argumentos, tantas objeções pudessem surgir, Moisés apresenta, pelo menos quatro que discutiremos brevemente nessa mensagem. A primeira objeção era: mas quem sou eu para ir diante do faraó? “Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?” (v. 11). Nós admiramos Moisés por sua humildade porque 40 anos antes ele teria dito a Deus quem ele era. Ele era o jovem que aprendeu toda a ciência e toda tecnologia egípcia. Em Atos 7:22 lemos exatamente isso a respeito de Moisés. Diz assim a Palavra de Deus: “E Moisés foi instruído em toda a ciência dos egípcios; e era poderoso em suas palavras e obras.” Talvez se Deus tivesse aparecido 40 anos antes a resposta de Moisés fosse: Sim, eu sei quem eu sou, eu sei o quanto sei, e posso fazer isso e aquilo e apresentasse todo um currículo e tantos diplomas... Mas anos que se passaram, anos de disciplina amoleceram Moisés, ou tornaram Moisés uma pessoa mais humilde. Uma pessoa que age na carne, uma pessoa que é impulsiva pode olhar para os obstáculos achando que pode resolvê-los com suas próprias forças. Mas uma pessoa humilde, uma pessoa que ande segundo o Espírito, conhece a dor das batalhas, sabe o que lhe aguarda adiante. E por isso a resposta de Deus a Moisés foi uma resposta afirmativa. A objeção de Moisés apresenta uma necessidade, a objeção de Moisés quer dizer: Deus, eu não sou nada! Eu não tenho condições de enfrentar o faraó. Tudo aquilo em que os homens se agarram hoje, Moisés olhou para tudo isso como sendo nada. Ele precisava ter a certeza de uma coisa, Moisés precisava ter uma convicção para que ele fosse enfrentar faraó. E a primeira destas é o que Deus responde a ele: Eu serei contigo. (v. 12). Eu serei contigo. E foi essa a promessa de que Deus estaria com ele que sustentou esse homem por 40 anos. E mais tarde, temos Josué, o sucessor de Moisés, no cap. 1 de seu livro no v. 5, ouvimos o doce som da voz de Deus dizendo: “Ninguém te poderá resistir, todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei.” Deus estava com Moisés, Deus estava com Josué. Mas a pergunta é: Será que Deus está comigo? Será que Deus está com você? Quem nós somos não é o mais importante. Quem Deus é, é o mais importante de todos os pontos. Conforme lemos no evangelho de João cap 15 v. 5, nós vemos claramente que sem Ele, nada podemos fazer. Diz assim a Palavra de Deus: “Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” E Mateus 28:20 diz assim: “Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” Quem somos? Bem, quem somos não é tão importante. A pergunta é: Quem Ele é? Ele é Deus, Ele é o Todo Poderoso e Ele nos tem dado uma promessa, a promessa de Deus é que Ele estará conosco todos os dias até a consumação dos séculos. E, não obstante o fato de que sem Ele nada podemos fazer, como disse o apóstolo Paulo, com Ele nada é impossível, podemos fazer todas as coisas por meio dEle que nos fortalece. É essa a convicção que precisamos ter diante do desafio do novo. Observe o que temos aqui. Primeiro temos a revelação de Deus, a Palavra de Deus, essa deve ser a base para que possamos nos tornar vitoriosos diante do desafio do novo. Segundo, nós temos o redirecionamento de Deus, devemos nos render pra onde Deus quer nos levar. Terceiro, nós temos a resposta de Deus para as nossas objeções. A primeira objeção de Moisés era: Quem eu sou? A resposta de Deus é: Moisés, não importa quem você é, importa que eu estarei com você. O mesmo vale pra mim, o mesmo vale pra você que lê essas linhas. Não importa quem você seja, importa quem Deus é. Deus é o Todo Poderoso e a promessa dEle é que Ele estará conosco. A próxima objeção de Moisés também era uma pergunta. Êxodo 3:13-15 “13 Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? 14 E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. 15 E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração.” Eu sou o que sou. O significa interno do nome Yaweh, Eu sou aquele que é. Isso enfatiza a autoexistência ativa e dinâmica de Deus. Quer dizer que Deus não depende de ninguém para existir. Ele é absolutamente Deus. No v. 15, Ele diz que é o Senhor. No hebraico temos o tetragrama hebraico que é Yaweh. Este nome de Deus não era pronunciado pelos judeus porque eles temiam violar o mandamento de Deus em Êxodo 20:7 e, portanto, eles preferiam o nome Adonai. O ponto era: o Todo Poderoso estava garantindo que estaria com Moisés. O Todo Poderoso está garantindo que estará conosco todos os dias. Quem estará comigo diante desse novo desafio? Deus. Quem estará comigo durante todos os meses deste novo ano? Deus. Quem estará comigo diante do desafio deste novo curso, dentro dessa faculdade? Deus! Quem estará comigo dentro dessa nova relação conjugal, dentro desse casamento? Deus! Quem estará comigo nesse novo trabalho? Deus! Quem estará comigo nessa nova cidade, nessa nova igreja? Querido leitor, a resposta será sempre a mesma: Deus estará conosco, ou colocando nas palavras do NT, Jesus estará conosco todos os dias até a consumação dos séculos.

Desafio do Novo 2

Posted on January 15, 2016 at 6:00 AM

Se alguém quer um lugar ao sol, é preciso saber que também vai se queimar um pouco. As pessoas querem ter sucesso diante dos novos desafios, querem vencer mas não querem sentir o calor sobre a pele. Mas é impossível ter as duas coisas: sobra e um lugar ao sol. Se queremos vencer, precisamos estar dispostos a enfrentar a intensidade do calor. Estamos aprendendo alguns princípios de como podemos ter uma vida vitoriosa diante do desafio do novo. Os princípios que estamos estudando estão no livro de Êxodo. Quero convidar você a abrir a Palavra de Deus em Êxodo cap. 3 a partir do v. 1. Diz assim a Palavra de Deus: 1 E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe. 2 E apareceu-lhe o anjo do SENHOR em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia. 3 E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima. 4 E vendo o SENHOR que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés. Respondeu ele: Eis-me aqui. 5 E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa. 6 Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus. 7 E disse o SENHOR: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores. 8 Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu. 9 E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. 10 Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito. Que passagem! Quando observamos os primeiros versículos (a partir do v. 7), nós notamos uma intensidade neste texto. Veja o que Deus diz: “Tenho visto atentamente a aflição do meu povo”. Mas não apenas isso, mas Deus diz: “tenho ouvido o seu clamor”, “conheci as suas dores” e no v. 8 Deus diz “Portanto desci”. Note bem: Deus vê a aflição, Deus ouve o clamor, Deus conhece o sofrimento e Deus desce para livrá-los. Que mensagem de graça! Quando enfrentamos problemas, achamos que Deus talvez não esteja vendo, que Deus não esteja ouvindo as nossas orações e que Deus sequer conheça o nosso sofrimento, mas assim como Deus tinha visto o sofrimento do povo de Israel, assim como Ele tinha ouvido o clamor daquele povo, como Ele conhecia o sofrimento deles e desceu para salvá-los, Deus tem feito o mesmo conosco. Moisés certamente trazia em sua mente a preocupação com o seu povo. Nós vimos que a história do libertador de Israel começou exatamente resolver as coisas com as sandálias nos pés (lembre-se de que Moisés matou um egípcio no afã de salvar um israelita). Mas o caminho de Deus não era que Moisés fizesse as coisas com as sandálias nos pés, isto é, com a sua própria força, do seu próprio jeito. Moisés deveria tirar as sandálias dos pés e fazer as coisas do jeito de Deus, da maneira de Deus, confiar em Deus. Apesar de Moisés sempre se preocupar com seu povo, como vemos logo no princípio da sua história, Deus mostra nesse momento que acima de qualquer outra pessoa, Ele estivera sempre vigiando o Seu povo. Durante todos os períodos, durante todos os momentos, Deus estava ali observando o Seu povo. Curiosamente este versículo e essa situação histórica poderia ser facilmente aplicada nos dias em que Cristo nasceu. Jesus nasceu nos dias em que o povo de Israel estava sob a servidão romana, os romanos escravizavam o povo de Israel. Eles sofriam perseguição, eles tinham terríveis sofrimentos e Deus também desceu, exatamente como diz o texto acima no v. 8: Portanto desci para livrá-lo. Nos dias de Jesus, Deus fez o mesmo. Deus desceu para livrar o Seu povo. Ele fez isso na pessoa de Seu filho encarnando-se para livrar, não apenas o povo de Israel, mas para livrar a todos nós do poder das algemas do pecado. Deus tem sempre um plano definido. Deus não precisa inventar ou improvisar alguma coisa. Deus tem um projeto e leva a termo Seu projeto. No caso do povo de Israel, Deus dizia a Moisés que os levaria para uma terra prometida, uma terra onde eles desfrutariam de vários benefícios, desfrutariam da bênção de Deus, por isso a expressão de Deus no v. 8 é “Eu os farei subir daquela terra (Egito), a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel”. Uma terra de promessa! Aquele povo que estava preso na escravidão poderia pensar muitas vezes que Deus os havia esquecido, os havia abandonado. Mas, querido ouvinte, aquilo que Deus inicia, Ele leva a termo. Eu posso começara ler um livro e não terminar, você pode começar a ler um livro e não terminar, nós podemos começar projetos e nunca concluirmos. Tenho amigos que começaram vários cursos em faculdades e não terminaram nenhum... Mas Deus, tudo aquilo que começa, Ele termina, tudo que Deus inicia, Ele leva à conclusão. Moisés se regozijou por ouvir que Deus estava pronto para libertar o Seu povo, pronto para libertar Israel. Mas Moisés ouviu algo que era assustador: Moisés seria o libertador! Moisés seria o instrumento de Deus para a libertação do povo de Israel. Veja o v. 10 “Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito.” Você pode imaginar isso? Você pode imaginar o som da voz de Deus dizendo: Eu quero enviar você, para que você seja o libertador. O que isso nos mostra? Isso nos mostra algo extremamente importante: que Deus escolheu usar seres humanos como Seus instrumentos, nós somos instrumentos de Deus, nós somos aqueles a quem Deus vai usar para realizar a Sua obra sobre a terra. Portanto, se você está diante do desafio do novo, mais do que buscar ser vitorioso, mais do que buscar ter sucesso, é importante que você busque se render a Deus e dizer: Deus, diante do desafio de um novo ano, diante do desafio de um novo curso, diante do desafio dessa faculdade onde estou entrando, diante do desafio dessa vida nova, da vida de casado, diante do desafio de ser um pastor, um missionário, diante de desafio de ser um novo convertido, eu quero ser Teu servo, eu quero ser um instrumento em Suas mãos. Deus preparou Moisés por cerca de 80 anos e agora chegou o momento dEle agir. É curioso que no texto Moisés não disse como disse Isaías. Isaías, ao ouvir que era o tempo de entrar em ação, Isaías diante da comissão de Deus diz assim: “Depois disso ouvi a voz do Senhor que dizia: A quem enviarei e quem há de ir por nós? Disse eu: Ei-me aqui, envia-me a mim”. (Isa 6:8). Meu sogro já é missionário aqui no Brasil há muito anos. Ele disse que a atitude dele antes de se tornar um missionário era: Eis-me aqui, envia a minha irmã. Ele não queria assumir o compromisso de servir a Deus, do jeito de Deus, onde quer que Deus o colocasse. Até que um dia ele se rendeu e fundou um ministério extremamente florescente que tem alcançado o mundo inteiro. Que resposta você quer dar a Deus diante do desafio do novo? Deus tem visto as dificuldades, Deus tem ouvido as nossas orações, Deus já desceu ao nosso encontro encarnando-se, se fazendo carne, Deus está interessado em nossa vida, Ele tem uma mensagem de graça, de favor imerecido. Mas Deus quer usar a mim e a você e nós precisamos dizer: Senhor, eis-me aqui, usa a minha vida, faça de mim o Teu instrumento. Para ter uma vida de vitória é preciso que nos rendamos para que Deus redirecione o caminho. Observe dois segredos importantes para que você tenha uma vida de vitória ou de sucesso diante do desafio do novo: 1. reconhecer a revelação de Deus. Deus se revelou a Moisés e Ele se revela a mim e a você através da Sua Palavra 2. é preciso que você se renda ao redirecionamento de Deus para a sua vida. Se você vinha vivendo uma vida de evangelho raso, sem compromisso, sem dedicação a Deus, hoje é o dia de você se render e dizer: Deus, redirecione os meus passos. Faz de mim o teu instrumento; faz de mim a tua ferramenta. E Deus, bondosamente fará isso. Como disse, não basta você desejar um lugar sob o sol, é preciso saber que haverá um pouco de queimaduras sobre a pele. Se você quer ser vencedor, se você quer ter vitória, você precisa se render a Deus como um instrumento dEle. Deus não apenas disse no texto de Êxodo que levaria o povo de Israel à terra Prometida, mas Deus disse que a terra seria cheia de desafios porque era a terra dos cananeus, dos heteus, dos amorreus, dos perizeus, mas Deus estaria com eles e Ele mesmo lhes garantiria a vitória. Assuma um compromisso hoje: deixe Deus fazer de você um instrumento em Suas mãos.

Desafio do Novo 1

Posted on January 14, 2016 at 5:55 AM

Quando estamos diante de uma nova oportunidade, ou diante de um novo desafio, não raro a apreensão do novo nos traz temores e até mesmo ansiedade. Nestes momentos todos nós gostaríamos que existisse um manual; um manual com os segredos para vencermos os novos desafios, para transpormos as novas barreiras, mas não existe tal manual. Por outro lado, nós temos o livro dos livros, recheado de princípios que nos levarão ao verdadeiro sucesso. E diante do desafio do novo, eu preciso convidar você a estudar esse princípio que lhe darão o norte necessário para que você seja mais que vencedor. Você sabe, antigamente a bíblia não era dividida em capítulos e versículos, e por essa razão, quando alguém queria referir-se a algum episodio importante, dizia uma palavra chave ou um termo chave, como por exemplo, a sarça, e todos saberiam que essa passagem se referia ao antigo testamento se referindo a Moises e o episodio da sarça ardente. Jesus usou exatamente esse tipo de referencia em Marcos cap. 12 v. 26, diz assim a palavra de Deus: Quanto à ressurreição dos mortos, não tendes lido no Livro de Moisés, no trecho referente à sarça, como Deus lhe falou: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó? Então note que Jesus usa exatamente esse tipo de referencia, Ele fala quanto à ressurreição dos mortos, não tendes lido no livro de Moises no trecho referente à sarça, obviamente Jesus não disse no cap. 3, nos v. de 1 a tanto, e a razão é porque esta divisão não era feita naqueles dias. Mas é exatamente ali no trecho da sarça que nós encontramos os primeiros princípios para que tenhamos sucesso diante do novo. Eu quero convidar a você a abrir a palavra de Deus em Êxodo no cap.3 a partir do v.1 em diante, diz assim a palavra de Deus: Apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote de Midiã; e, levando o rebanho para o lado ocidental do deserto, chegou ao monte de Deus, a Horebe. Apareceu-lhe o Anjo do Senhor numa chama de fogo, no meio de uma sarça; Moisés olhou, e eis que a sarça ardia no fogo e a sarça não se consumia. Então, disse consigo mesmo: Irei para lá e verei essa grande maravilha; por que a sarça não se queima? Vendo o Senhor que ele se voltava para ver, Deus, do meio da sarça, o chamou e disse: Moisés! Moisés! Ele respondeu: Eis-me aqui! Deus continuou: Não te chegues para cá; tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa. Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. Moisés escondeu o rosto, porque temeu olhar para Deus. Nesta passagem aonde encontramos a descrição da sarça ardente, o fogo ao redor desta sarça, as chamas são intensas, a sarça ardia em fogo nos diz a passagem. A sarça era simplesmente um arbusto espinhoso, mas as chamas não o consumiam, normalmente um arbusto como este seria queimado rapidamente. A sarça ardendo então nos revela pelo menos três coisas significantes: - Nos revela o próprio Deus Em Deuteronômio cap. 33 v.16 o texto nos fala que a sarça revelava a Deus, diz assim: com o que é mais excelente da terra e da sua plenitude e da benevolência daquele que apareceu na sarça; que tudo isto venha sobre a cabeça de José, sobre a cabeça do príncipe entre seus irmãos. A sarça ardente era a revelação de Deus, Deus se revelando, revelava a sua gloria e o seu poder, ainda assim a sarça não era consumida. Moises precisava ser relembrado da gloria e do poder de Deus, porque ele tinha adiante de si, Moises tinha em seu caminho, à frente o desafio do novo, e o desafio que Moises tinha é o que nós poderíamos chamar de uma “Missão Impossível”, uma tarefa do ponto de vista humano, irrealizável. - Simbolizava Israel Israel que atravessaria pelo meio do fogo da aflição, todas as dificuldades e pressões, mas ainda assim não seria consumida. Quando olhamos para a historia, a freqüência com que nações tentaram exterminar o povo judeu é muito significante, mas mesmo assim todos os que tentaram, falharam. - Ilustra Moises Moises era neste momento um pastor, humilde, simples, perdido no meio do deserto, mas com a ajuda de Deus, com o poder de Deus sobre a sua vida, ele se transformaria num fogo ardente que não poderia ser apagado. Note Moises foi levado até o lugar aonde ele se prostra diante de Deus, aonde ele adora a maravilha da revelação de Deus; este é o primeiro segredo, se é que poderia chamar assim. Todo aquele que quer começar bem diante do desafio do novo, precisa reconhecer a revelação da presença de Deus. Você precisa identificar que Deus está presente. Quando você reconhece então que Deus está presente, você precisa adorar a Deus. Este é o primeiro passo para uma vida de sucesso diante do novo desafio ou diante do desafio do novo, adoração a Deus. Os servos que reconhecem a Deus tiram os seus sapatos numa atitude de humildade e aqueles que assim o fazem, poderão ser usados por Deus poderosamente. Mas o que é tirar os sapatos? O que significa eu e você tirarmos os nossos sapatos? Significa não confiarmos em nossa habilidade para vencermos o desafio do novo. Tirar os nossos próprios sapatos é uma grande lição para entendermos que apenas poderemos realizar as tarefas humanamente impossíveis com o poder e a força daquele que é o Todo Poderoso. O nosso problema é que queremos resolver as coisas com os nossos sapatos, nós queremos resolver as coisas do nosso jeito, nós temos o desafio de um novo ano, nós temos o desafio de um novo trabalho, nós temos o desafio de um novo curso; jovens que passaram no vestibular e acreditam que resolverão todas essas coisas com suas próprias forças. Se você acha que vai vencer o desafio do novo calçando os seus próprios sapatos, eu lamento lhe dizer, mas você já está começando da maneira errada. A maneira certa de começarmos diante do desafio do novo é: - reconhecermos a presença de Deus; - tirarmos o nosso próprio sapato, reconhecermos que não podemos fazer em nossa própria força; - adorarmos a Deus profundamente Essa é a razão porque Deus freqüentemente se revela na bíblia com toda a sua gloria e todo o seu poder, é o que podemos ver em Isaias no cap. 6, diz assim a palavra de Deus: No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os seus pés e com duas voava. E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. As bases do limiar se moveram à voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça. Então, disse eu: ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos! Era exatamente isso que Moises estava vendo, o Todo Poderoso, o Senhor dos Exércitos, Deus se revelando em toda a sua gloria. A memória da sarça ardente, deve ter sido o encorajamento de Moises através dos anos que vieram, através dos novos desafios que ele enfrentava quando então se tornara o grande líder do povo de Israel. Lembre-se ele atravessou milhas e milhas através de um deserto terrível com um povo que murmurava constantemente. E como Moises pode vencer todos esses novos desafios? Moises fez isso reconhecendo que as sandálias precisavam ser tiradas dos seus pés; o lugar onde Deus está presente é um lugar Santos, o que quer dizer isso? A palavra Santo significa separado, foi exatamente isso que Deus disse a Moises. Note em Êxodo no cap. 3 v.5 a palavra de Deus nos diz assim: Deus continuou: Não te chegues para cá; tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa. Esse era um sinal de respeito para com alguém superior, os escravos normalmente andavam descalços porque eles demonstravam assim fazendo que eram servos. Em Lucas cap 15 v. 22 nós temos uma referencia interessante neste sentido. O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés; Esta é a parábola do filho pródigo aonde o pai vendo o seu filho retornando pede uma das coisas quer seja providenciada era sandália para os pés. O que Moises fez foi exatamente o contrario, ele tirou as sandálias para reconhecer em Deus o Senhor da sua vida. Se você quer ter sucesso diante do novo, tire as sandálias dos seus pés, reconheça o senhorio de Deus e deixe que Deus guie a sua vida através do desafio do novo.

Gratidão x Ingratidão - 2

Posted on January 12, 2016 at 7:55 AM


“Ao entrar numa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos” (Lucas 17:12).

No caminho algo extraordinário aconteceu: “Aconteceu que, indo eles, foram purifi cados” (Lucas 17:14b).

Não sabemos exatamente como isso aconteceu.

Talvez, enquanto caminhavam, olharam uns para os outros, e viram que seus rostos já não tinham mais feridas, suas mãos estavam recuperadas, e, a alegria tomou conta de seus corações. Um costume judaico que precedia os dias de Jesus determinava que, quando alguém recebia um milagre, deveria voltar ao local do milagre e glorificar a Deus.

A exclamação era algo como: “Bendito seja aquele que realizou um milagre neste lugar!”.

Só então seguiria seu caminho.

Por essa razão, a única ação que se poderia esperar dos dez leprosos era que retornassem para glorificar a Deus.

Mas, o texto diz que apenas um retornou...

Só um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glórias a Deus, e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe.

E, ele era samaritano.

Para sermos gratos devemos nos vigiar.

Muitas vezes, nós estamos unidos a Deus pela tragédia, esperando uma bênção, mas quando a recebemos, nos afastamos de Deus pela ingratidão.

O samaritano voltou e recebeu a salvação para a sua vida.

Voltar para agradecer a Deus nunca é perda de tempo.

É sempre melhor voltar...

Caminho estreito

Posted on January 11, 2016 at 7:50 AM


“Por quarenta dias foi tentado pelo diabo. Naqueles dias não comeu coisa alguma, e terminados eles, teve fome” (Lucas 4:2).

Quando Jesus foi tentado a negociar com o diabo, Jesus simplesmente rejeitou, baseado no fato de que só Deus deveria ser adorado.

Está aí uma grande lição: não devemos negociar com o diabo e seus asseclas.

Jesus conquistou o Direito e a Soberania sobre todos os reinos, enfrentando o sofrimento, a cruz, e triunfando através da ressurreição.

Era como se o diabo estivesse dizendo a Jesus: “olha, você não precisa sofrer, você não precisa enfrentar a cruz, você vai receber todas essas coisas se simplesmente você me adorar”.

Mas Jesus não aceitou fazer isso.

Ele preferiu enfrentar o sofrimento, a cruz e triunfar através da ressurreição.

Pelo caminho da fidelidade ao Pai, pelo caminho do amor infalível, Jesus aceitou a cruz, e assim Ele é quem é: Soberano sobre os reis da terra.

Assim como você não pode mudar uma pergunta para encaixar-se numa resposta, você não pode comprometer os seus valores, os seus princípios da palavra de Deus, não importa o que você esteja enfrentando.

Mesmo no sofrimento, dificuldades e pressões, não negocie e faça o que é certo.

Seja fiel à sua família, à sua fé, ao seu ministério, porque Jesus nos demonstrou que é assim que encontramos a vitória.

Consolai uns aos outros

Posted on October 25, 2015 at 8:30 AM

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo... Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus” (2 Coríntios 1:3, 4).

O instituto de pesquisa Barna concluiu que, em algum momento, um terço da população sofrerá de alguma angústia e stress por uma ou outra razão, não apenas oscilações naturais do dia a dia, mas uma angústia crítica.

Pense nisso, aproximadamente uma em cada três pessoas sofre algum grau de angústia moderada ou severa.

C. S. Lewis concluiu corretamente que a angústia é o megafone de Deus para conseguir nossa atenção.

A Bíblia sempre nos apresenta desde os tempos mais remotos a compaixão divina em relação ao sofrimento humano.

Aliás incidentalmente, o Cristianismo chega a revelar que o

sofrimento pode ser redentivo e que nosso sofrimento pode nos capacitar a ajudar outros que sofram de problemas semelhantes (2 Coríntios 1:4).

Assim, deveríamos deixar nossos jalecos de sofredores isolados e vestirmos nossos macacões de serviço e ao invés de lamentarmos por nossos problemas procurarmos oferecer auxílio ao que sofrem.

A melhor terapia ocupacional é servir aqueles que estão necessitados, oferecendo o consolo que nos foi oferecido.

Gratos pela Esperança

Posted on October 24, 2015 at 8:30 AM

“Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (1 Tessalonicenses 5:18).

O grande desafio do cristão, não é ‘estar’ grato, é ‘ser’ grato a Deus.

Em tudo dai graças, não apenas pelo que Deus faz, mas por tudo que Ele permite que aconteça.

Coisas boas, coisas ruins.

Nós devemos começar o dia dizendo: ’Eu sou grato a Deus por esse sol maravilhoso’, e continuar gratos mesmo ouvindo os noticiários do dia...

Acontecem coisas tão chocantes, tão fortes, que nos dão um sentimento de revolta.

E, facilmente, deixaríamos de estar gratos a Deus.

É muito mais fácil ‘estar’, do que ‘ser’, porque quando ‘estamos’, somos motivados pela provisão de coisas boas.

Quando temos um coração grato, quando somos gratos, nós teremos bom ânimo mesmo em meio às aflições.

Se não conseguimos ser gratos pelo hoje, jamais seremos gratos pelo amanhã.

Se semearmos ingratidão, não vamos colher gratidão.

Nós não podemos deixar de reconhecer Deus em nenhum momento de nossa vida.

Uma das características de alguém grato, que consegue ser grato pelo hoje e pelo amanhã, mesmo sem saber o que o espera, é a ESPERANÇA.

Eu não sei quais têm sido as suas batalhas, mas eu quero te convidar a erigir monumentos de gratidão.

Em uma vida de gratidão, muitas vezes, a fé transcende a razão.


Rss_feed